Frases


"O coração que se ganha é o que se dá em troca"Marcelino Freire



segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Posts mais recentes no Facebook





Em virtude do ritmo acelerado dos últimos dias, optei por fazer postagens mais recentes do blog direto em meu perfil no Facebook (veja aqui). Em breve, elas chegarão também por aqui. A prioridade do blog, porém, segue na série da Bienal 2017, que logo mais terá seu sexto post.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Bienal do Livro do Ceará 2017 - dia 5 - Horácio Dídimo, Daniel Diaz, Isabel Lustosa e Mary Del Priore (18/04/2017)



Foto capa: Denis Akel, montagem de imagens via Google
Fotos postagem: Denis Akel

Hora da quinta postagem desta longa série, de minhas vivências da Bienal, ocorrida em abril último. Aqui o foco serão principalmente duas palestras, a primeira centrada no professor e poeta Horácio Dídimo, a outra na historiadora Mary Del Priore. Antes de começar, trago o recorte que escrevi no dia em questão, 18/04/2017, tão logo cheguei em casa:

"Quinto e intenso dia de Bienal hoje. Topei com Valter Hugo Mãe por acaso na entrada. Uma conversa rápida, enquanto ele flanava pelos cordéis com grande interesse. Perguntei do ramo que segurou durante toda a conversa com os índios, no dia anterior: "Era um presente que me deram, queriam que eu guardasse". Deixei Valter, que então começou a ser notado por outras pessoas, sobretudo os próprios cordelistas.

Tive o privilégio de ter assistido aquela que já considero uma das melhores palestras desta Bienal, a conversa com Horácio Didimo e Daniel Diaz. Tinha ouvido falar de Horácio mas ainda desconhecia sua obra. E à medida que ela foi comentada, exposta, fui me maravilhando, pela poesia tão simples, tão precisa, tão necessária. Por trás daquele simpático senhorzinho, ardia uma alma poética de raro brilho, de uma humildade sem tamanho. Mas havia mais algo que ajudou a agigantar ainda mais esta mesa: muitas crianças. Os pequenos comentavam, brincavam, perguntavam ao poeta, cada um à sua maneira, perguntas de uma pureza única. Nada de perguntas gigantes que sempre se perdem no meio, as crianças eram diretas, rápidas. Tiravam do poeta a objetividade que sobrava de suas poesias. Tudo de maneira tão doce e sincera que era difícil não sorrir a cada pergunta ou a cada vozinha que ainda mal se fazia ouvir mas já se mostrava curiosa. Daniel, que ilustra livros do poeta, falou de inspirações e motivações e como a obra de um favorece a do outro. Percebi uma forte ligação entre eles.

Tive ainda a oportunidade de conhecer o professor Stelio Torquato, que está com um belíssimo e amplo trabalho na área dos cordéis, é super simpático e me deu uma pequena aula sobre povos e diferenças linguísticas. Poderia tê-lo ouvido por horas.

Para finalizar, peguei um pedaço da badalada mesa principal da noite, que trouxe as historiadoras Mary del Priore e Isabel Lustosa. Auditório quase lotado para uma esclarecedora conversa sobre a arte de se pesquisar e escrever sobre vidas, sobre épocas, e de como isso vem mudando ao longo dos anos. Falou-se ainda da importância da literatura, dos memorialistas brasileiros, que ajudam a transparecer um Brasil bem diferente do comumente retratado. 

Um dia de amplo movimento, de lá para cá, de uma sala para outra, um lanche aqui, um conhecido ali. É uma energia boa, das pessoas que vejo transitarem, dos diálogos que entreouço vez ou outra. Estão felizes. Esta bienal se mostra cada vez mais a Bienal da amizade."

Escrito e publicado originalmente em 18/04/2017, no Facebook.

––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––


Era uma terça-feira. Após toda a diversidade trazida pelo passeio no dia anterior, com Válter Hugo Mãe e os índios Anacés, era preciso voltar ao Centro de Eventos, às paredes de concreto. Infelizmente não se faz uma Bienal apenas fora da bienal. Até este dia, eu ainda não estava muito certo de vir todos os dias ao evento, mas acabava sempre sendo movido pelas descobertas que fazia lendo a programação, que por ser tão confusa e cansativa, sempre fazia na noite do dia anterior, acolhendo prováveis coisas a ver no dia seguinte, como falei na primeira postagem desta série.

Como geralmente saía de lá tarde da noite, e demorava a dormir revendo as coisas do dia e planejando o próximo, nunca cheguei a frequentar as manhãs da bienal. Seria desgastante demais ficar o dia inteiro e felizmente as programações mais interessantes para mim aconteciam sempre no período da tarde/noite. Para este dia, haveria pelo menos duas palestras que me atraíram, uma com Horácio Dídimo, Ângela Gutierrez e Socorro Acioli e outra com a historiadora Mary Del Priore. Era um momento interessante para finalmente conhecer de perto Horácio, do qual ainda só tinha ouvido falar de livros e artigos, bem como também ouvir um pouco mais de Mary, que já tinha visto algumas entrevistas. Tudo isso se daria a partir das 16h.




Havia algumas outras coisas que poderiam ser bacanas no início da tarde, e me esforcei para pegá-las, saindo de casa no fim da manhã, às pressas, sem almoço, comeria qualquer coisa por lá. Veio o sol do meio-dia, na dura caminhada até a parada de ônibus. Enxuguei o suor, e me refiz nos breves minutos de ar-condicionado do coletivo, até me ver novamente ante a quentura, na breve caminhada até o Centro de Eventos. Cheguei de todos estes atropelos suando, louco para me recompor num gole d'água ou mesmo uma lavada de rosto. Antes que pudesse pensar muito, tive logo à entrada do prédio uma inusitada surpresa, ao ver ninguém menos que Válter Hugo Mãe vagando tranquilamente pela praça do cordel.

Nenhuma fila ou tumulto à sua volta, apenas o escritor fazendo sua feirinha de folhetos. Aproveitei o momento para conversar com ele, falando brevemente sobre o encontro com os índios, de como lhe impactou tudo aquilo e perguntando o que significava o ramo que manteve às mãos durante toda a celebração: "Era um presente que me deram, queriam que segurasse, uma homenagem à tribo". Comentei mais qualquer coisa sobre as palestras dele, da mesa com Marcelino Freire e quando o escritor voltava a Portugal, que seria naquele mesmo dia. Segui meu caminho, e ao deixar Válter percebi a aproximação de várias outras pessoas, que só agora pareceram notá-lo. Vi de longe quando os cumprimentava e já posava para inúmeras fotos. Um momentinho bacana, inesperado, que jamais estaria na programação, mas já me recolocou nos trilhos, ao pegar um pouco dessa energia, da figura do escritor português. As coisas que pensei em ver e que motivaram a pressa? Abri mão, o momento com Válter já foi uma boa recepção, um respiro emendado ao desgaste que foi a chegada naquele dia.








Almocei um prato de massa, do mesmo local dos dias anteriores, o melhor custo benefício, ante os outros, pelo que pude ver numa olhada rápida. Rodei um pouco pelos corredores, movimento moderado de pessoas. Neste dia, haveria outra boa novidade, eu não estaria sozinho, encontraria uma amiga, que conheci nos fluxos literários, uma presença que muito agregaria neste dia. Seria ótimo ter outra opinião ao que eu visse e sentisse. Encontrei-a minutos antes do início da palestra de Horácio, em meio à praça do cordel, e fomos direto escada acima, rumo ao auditório.





MESA (16h) - Horácio Dídimo e suas doces teias poéticas ( Horácio Dídimo / Daniel Diaz) Mediação: Kelsen Bravos




Para minha surpresa, a programação foi alterada e agora não me recordo o motivo. Além de Horácio, constava no folheto a presença das escritoras Ângela Gutierrez e Socorro Acioli, mas lá só estavam Horácio e um rapaz que eu até então desconhecia. A mesa foi anunciada por uma apresentadora, e o rapaz se revelou ilustrador, Daniel Diaz, que pelo que entendi começava a trabalhar com o poeta, dando vida ao texto de Horácio, na forma de desenhos e imagens. Tomamos dois dos muitos lugares livres, (havia pouco gente) mas chamava a atenção a farta presença de crianças, nas primeiras fileiras. A mediação ficaria por conta do professor Kelsen Bravos, que leu breve biografia dos convidados, antes de iniciar os trabalhos. Horácio e Daniel aguardavam, confortavelmente sentados, bem como as várias garrafinhas d'agua na mesa de madeira à frente deles.

Enquanto praticamente tudo o que era dito na sala era traduzido para linguagem de sinais, através de uma intérprete, Kelsen começou sondando as origens de ambos, dentro de suas obras: "O universo infantil, a infância, o que mais lhes atraía?"

"Literatura infantil é feita com naturalidade. Basta rever minha vida, Monteiro Lobato e a presença de meus netos é muito importante para meu processo"Horácio Dídimo

"Quando tive contato com a poesia do Horácio, meu trabalho ganhou uma carga poética que até então não tinha. Leio os textos dele e já os ilustro de imediato. Uso materiais simples, lápis de cor comuns"Daniel Diaz

Kelsen leu o poema "O rei quanto mais complica, mais reifica", de Horácio, do livro As Reinações do Rei. Havia no palco também uma projeção, nesse momento tomada por ilustrações do livro, de autoria de Daniel.




As muitas crianças não estavam ali por acaso, teriam papel fundamental, conduzindo perguntas e ajudando na progressão da fala, como logo ficou evidente, ao serem chamadas por Kelsen. Muito perspicazes, esbanjavam uma inocência afiada, com questões diretas, sem rodeios:

"Tem sempre uma coisa que me intriga quando vejo escritores e ilustradores, é verdade que eles vêm o mundo de uma forma diferente? Mais alegre, que toca o coração das pessoas?" – Pergunta da Lara

"Incrível, essa é talvez a melhor pergunta que já vi ser feita. A realidade vista através da poesia torna a vida mais poética, mais encantadora"Horácio

"Às vezes a vida não é tão colorida, mas temos a capacidade de transformar sentimentos em arte. Nem sempre é alegria, às vezes a dor também é combustível"Daniel 

A pequena Luísa foi a próxima a perguntar:

"De onde o senhor tira suas ideias?"

"Desde criança tenho ligação com a literatura, principalmente poesia." Horácio

É curioso que as perguntas das crianças me pareceram bem mais interessantes do que as respostas de Horácio, como se as respostas não respondessem a um terço da 'complexidade' da pergunta. Horácio me pareceu formal demais.




Falando sobre desenho, Daniel explicou um pouco de seus processos:

"Todos desenhamos desde criança, mas sempre paramos, mudamos de área, mas sempre começamos desenhando. Não me atento só à poesia de Horácio, tento abrir mais as possibilidades da ilustração. Viajo nos textos dele, vou no caminho poético que traz imagens do meu universo para compor o desenho."Daniel

Horácio completou:

"Ilustrações criativas que valorizem o texto e dêem força maior a ele" – Horácio, sobre desenhos de Daniel

"Minha literatura sempre está associada ao meu dia-a-dia. É o olhar, mas parece uma visão, é a mais profunda das coisas"Horácio

Daniel deu ainda preciosas dicas para quem quisesse se aventurar no mundo do desenho:

"Ver desenhos, observar a si mesmo, desenhar observando, tentar fazer cursos, é um sempre aprender. O desenho tá em tudo, tem que desenhar. Desenhe, observe, leia, se divirta e faça com amor"Daniel

Já Horácio homenageou os poetas que lhe influenciaram:

"Quem escreve poesia não pode deixar de ler poesia. Os poetas influenciam uns aos outros" – disse, antes de ler poema que fez em homenagem aos poetas que sempre lê, intitulado "Sete poetas". Os sete poetas eram: Bandeira, Drummond, Quintana, Pessoa, Vinícius, Cabral e Camões.

Falou-se também da dedicação e necessidade da leitura, da formação de leitores:

"Horácio implantou em nossa universidade o estudo da literatura infantil", disse uma mocinha simpática, Talita. "É de sumária importância, é o que vai formar o caráter da criança. Se ele não tivesse escrito nenhum verso, já teria feio toda a diferença, já fez muito."

"Por que estudar literatura infantil?", foi a questão levantada a seguir por Kelsen. Neste âmbito, foi citado Henrique Dídimo, sobrinho de Horácio, presente no auditório, também autor de literatura infantil, que lançaria um livro logo mais na Bienal. Kelsen falou um pouco do comportamento atual das crianças e a dificuldade de se escrever para elas, citando um exemplo de como sua filha fala com ele: "Pai, não dá spoiler!". Após risos do público, as crianças seguiram, sabatinando Horácio:

"Sua vontade de escrever vem de outras gerações?" – Pergunta da Lara

"Tinha um tio que era poeta que escrevia para um jornal no Rio. Quando minha tia fez 80 anos, ele mandou um poema pra ela. Ela disse: podendo me dar dinheiro, me manda é poesia!"Horácio

"A criança tem uma mentalidade poética, tudo o que a criança fala e diz é poesia. Se conseguirmos identificar isto, temos o poeta"Horácio

Na ocasião, lembro de ter sido ainda mencionada uma homenagem do Farias Brito ao poeta, "Dos nossos mais de 10 mil alunos...". Ele agradeceu, relembrando que lhe foi muito importante na carreira, de professor universitário. Não sei por que mas senti aqui uma ligeira propagandazinha gratuita da escola.

Também foi destaque da palestra o livro A palavra e a PALAVRA, do qual Horácio falou, sobretudo do título, das diferenças da palavra grafada com 'p' minúsculo e 'p' maiúsculo.




Kelsen citou Bartolomeu Campos de Queirós e seu Vermelho Amargo, no qual afirma que a infância é um inferno. O mediador, contudo, expôs um ponto bem interessante: "Para o recém-nascido, tudo é aprendizado, tudo é visão poética. A forma poética de se passar isso é um afago. Nunca devemos nos despedir da infância. Nunca desista da infância. Desistir da infância é desistir da poesia."Kelsen

O pouco público presente, além das crianças, também participou com perguntas:

"Quem avalia seu texto? Se é bom para criança?"

"Faço na simplicidade, sem grandes ambições, com base na palavra simplicidade" Horácio

"Fazer poesia com a simplicidade de Horácio exige ser Horácio"Kelsen

A conversa foi encerrada, em meio a muitos aplausos. Já a dispersão, marcada por inúmeros flashes dos fotógrafos e público, foi também celebrada pela criançada presente, que encheu o palco para posar ao lado de Horácio e Daniel, em muita descontração e sorrisos.






Esta palestra foi uma das mais incríveis que pude ver nesta bienal, por ter sido um primeiro contato com Horácio Dídimo, mas certamente o mais marcante foi ver tantas crianças, que conseguiam quebrar um pouco a dita formalidade do evento, ao se portarem com a naturalidade infantil, correrem daqui ali, rirem alto, serem o que realmente são. Fiquei pensando na época, e fico pensando agora, novamente, ao rever as fotos, onde estarão estas crianças daqui a alguns anos? O que levarão deste momento para suas vidas? O que Lara e Luísa estarão fazendo? O que cada um destes rostinhos, risonhos de encantamento, estarão a sonhar? Seria incrível se pudéssemos ter essas respostas.

Novamente como nas mesas e falas anteriores, mantive minha caderneta sempre à mão, registrando fatos, além de conversar com minha amiga um ou outro detalhe, era bom ter uma outra visão, um interessante complemento e, também, contraponto.

Passeamos um pouco pelos saguões da Bienal, digerindo as muitas sensações que nos invadiam, tanto nas palavras ouvidas como na vida vivida. Lanchamos, conhecemos o simpático palhaço Juá, que nos abordou vendendo cordéis, tudo dentro do clima maravilhoso dessa Bienal. Comprei os livretos, feitos segundo ele por seu pai, do interior. Não por acaso, saímos de lá direto para a praça do cordel, onde tivemos um momento muito agradável com o professor Stelio Torquato, que desenvolve um interessante trabalho na literatura de cordel, ao adaptar clássicos da literatura para o formato, e que ali lançava vários livros. O professor, além de tudo, se mostrou grande conhecedor de etimologia, a origem das palavras, e conversamos um pouco no tema, acabamos indo parar em Mia Couto e culturas africanas, bienal do livro é assim! Dali deixei minha amiga no ponto de ônibus, e voltei, a noite ainda iria longe, direto para a sala 1 do mezanino 2.


O professor Stelio Torquato e suas obras

MESA (20h) - Histórias são vidas de pessoas revisitadas ( Mary Del Priore / Isabel Lustosa ) Mediação: Jáder Santana






Meu interesse maior aqui era ver algo de Mary Del Priore, da qual já ouvira falar de outros eventos como a Flip, e também conhecer Isabel. Cheguei um pouco atrasado, já em meio a contextos armados que pareciam difíceis de penetrar, mesmo assim tentei. Nesse auditório já muita gente, como era comum nas palestras noturnas, que sempre traziam nomes mais conhecidos. Como perdi um pouco o fio condutor, transcreverei recortes brutos do que consegui captar. Era difícil estar concentrado aqui, ainda tinha muito da fala de Horácio na mente.

"Fui aluna de um grande historiador francês. É preciso se fazer perguntas sobre os documentos históricos, os historiadores deveriam ser obrigados a estudar francês, pois toda a documentação do século 19 é em francês." – Mary Del Priore


Um esboço rápido que fiz do trio


"Conde D'eu é marido da princesa Isabel" - Mary

Foi citado o livro À Sangue Frio, de Truman Capote, como exemplo de jornalismo literário.

"Hoje temos muita facilidade de pesquisa, através do google, é possível imprimir de acervos e praticamente ter os originais"Isabel Lustosa

"O olhar do historiador é obrigado a prestar contas com o que está dizendo. Os jornalistas não, escreviam crônicas do que viam"Isabel

"Os arquivos privados são uma fonte inesgotável de informação. Outra fonte fascinante são os memorialistas brasileiros. É uma excelente maneira de aproximar literatura de história. Aprende-se a contar a história do Brasil por suas memórias. Há uma preocupação com a chegada do rádio, com o cinema deixar de ser mudo. A partir desse estudo, dos memorialistas brasileiros, chega-se a outro Brasil."Mary

Foi falado também do livro de uma francesa sobre a história da loucura e da política. Infelizmente não consegui pegar o nome, do livro ou da autora.

"Li 'caricaturas' de pessoas, feitas por jornais e a partir daí surgiu o interesse de ir atrás da biografia delas. Parti do pitoresco."Isabel

"A gente ganha pouco mas se diverte. Retomar um trabalho já feito é chato, mas descobrir um caminho novo, dentro de um trabalho que só eu estou trabalhando, é maravilhoso"Isabel

"Eu não só adoro pesquisar, mas amo escrever. Me dedico muito. Não penso só nas minhas ideias, quero que as pessoas se descubram. O bacana de ler histórias é que a gente se descobre"Mary

Foi citado um Dicionário do Negro, mas não encontrei nenhuma possível informação extra sobre esse material, na rápida pesquisa que fiz para escrever esse texto.

"Escrever sobre qualquer tema? Se há documentos sobre, dá pra fazer"Mary

"Não faço ficção, sou historiadora. Há teses muito complexas sobre Tiradentes, ele era sim muito rico. Historiador precisa imaginar as cenas, para escrevê-las, mas com base no real. Seja livre em suas ideias. (questão comunista, socialista etc)"Mary

Mary falou bastante de Dom Pedro, peculiaridades de sua vida, de sua rotina, hábitos ruins, roupa: "Tocava muito nas pessoas, era um caipirão".

"As mulheres e a política?" – a pergunta veio do público.

"A mulher brasileira é machista, nós é que ensinamos aos filhos os comportamentos machistas"Mary

"Onde se arranja documentação para pesquisa o amor sentimento?" – outra pergunta do público

"Há o dicionário do século 18, há sim muita documentação."Mary

"E quanto à reforma do ensino, desobrigar a história nas escolas? Não faz sentido" – mais alguém do público comentou.

"Pra conhecer a história do Brasil, se olhe no espelho. É absurdo eliminar esse conhecimento, é esse estudo que lhe fará se perceber melhor como pessoa. Conhecimento de história é prioritário, é o que te lança no mundo"Isabel

"Não perca a esperança, esse mundo tá sendo dominado pelas mulheres, viu? Pesquisem, há muitas nas humanas, nós chegaremos lá!"Mary




A mesa foi encerrada com um desabafo, que partiu de uma professora, Zaíla. Sobre comportamentos machistas e preconceitos, ela disse ter uma obra vasta, mas nunca ter sido reconhecida, mesmo há muito tempo atuando. Disse, em tom de brincadeira séria, ter 150 anos, dando ênfase à luta que trava por um reconhecimento ainda não atingido.





Fiz algumas fotos finais, antes de deixar o auditório, da tradicional fila de autógrafos. Lá fora, como era comum após todas as grandes palestras, havia a venda de livros dos autores presentes. Em destaque, estava Histórias da Gente Brasileira, da Mary Del Priore. Passei bem longe de comprar, ainda não tinha comprado nada nesta bienal e mesmo a palestra tendo sido bem interessante, este estava fora de minhas metas, sobretudo pelo preço.





Enquanto descia as escadas rolantes, observava a redução do movimento, os espaços fechando ou em processo de fechamento, o fluxo de saída das pessoas. Era uma constante de todos aqueles dias, perceber tudo isso. Uma cena em particular sempre me detinha: a praça do cordel, àquela hora, com suas muitas cadeiras arrumadas por cima das mesas, numa composição estranha, um modo incomum de se passar a noite, pensei, mas elas pareciam bem, confortáveis, guardiãs do sono dos justos.





Um dia de muitas emoções, mais um capítulo crucial da grande epopeia que me foi esta Bienal do Livro. Desde a inesperada conversa com Válter, à maravilhosa da descoberta de Horácio Dídimo, o fascínio das crianças. Do passeio pelos estandes, ainda que não tenha comprado livros até agora, as conversas com minha amiga, e o que consegui pegar da mesa de Mary e Isabel. Eu viria logo mais a reencontrar Mary na Flicaixa, no mês seguinte, e já fiz um post sobre, aqui.

Continua no dia 6, com Ricardo Kelmer, Cleudene Aragão, Socorro Acioli e Frei Betto.

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Bienal do Livro do Ceará 2017, dia 4 - Encontro com índios Anassés e Válter Hugo Mãe (17/04/2017)


Fotos e vídeos: Denis Akel

Seguindo enfim com a série de textos referentes à Bienal do Livro do Ceará 2017, eis a quarta postagem, focada no encontro do escritor português Valter Hugo Mãe com a tribo indígena Anacé, como programação da Bienal fora da Bienal, atividade especial que retornou esse ano à grade do evento. Antes de falar mais amplamente de tudo, eis o que escrevi à ocasião, no dia, logo após findado o passeio e tendo voltado pra casa:

Neste quarto dia de Bienal, optei por fugir um pouco do ar aprisionador do centro de eventos. Fui para a programação da Bienal fora da Bienal. E fui na sorte. Não fiz registro, não deixei nome, não ganhei sorteio. Simplesmente houve muitas desistências. E essa sorte me levou a um sensacional passeio em plena tarde de segunda. Em clima de Bienal, aliás, quem se lembra do dia? 

O passeio focaria no encontro do escritor Valter Hugo Mãe com os índios Anassés, em Caucaia/CE. A ida até a comunidade foi puro deslumbre, com paisagens que muito fazem falta no dia a dia urbano. Fomos generosamente recebidos, com cartazes e sorrisos, de um povo feliz por ser lembrado. 

Havia por ali uma paz, um aconchego, que eu até então não lembro de ter sentido. Caminhar descalço pela trilha de areia, massagear os pés no riacho, comer tapioca com café e mugunzá, observar a vida daquele povo, que nos abraçava como irmãos, o que mais poderiamos querer? Todos logo se instalaram sob um cajueiro, à espera do convidado. E ele demorou. 

Fiquei a observar o lugar, a me encantar com o simples fato de estar ali, de poder viver tamanha simplicidade. Me sentia estranho, portando celular, bolsas, tecnologias, enquanto crianças locais se esbanjavam nas águas do riacho, numa espontânea manifestação de infância. Tudo irradiava vida, não era difícil sentir a boa energia que emanava daquelas terras. E nada de Valter. Ora, aquela experiência sensorial já era tão única que mesmo o português não vindo, já teria valido cada minuto.

Mas ele logo surgiu, com pompa de herói, num cortejo com o cacique e os demais índios. Valter trazia algo como um ramo nas mãos, certamente um presente que deveria ter algum significado, mas jamais se soube. Em meio a cantoria, a euforia de lentes e máquinas fotográficas - que julguei proibidas - e estranhamente roubaram a cena, o escritor foi conduzido ao centro da roda.

Acompanhamos uma conversa que começou falando da colonização portuguesa no Brasil, da falta de espaço às comunidades indígenas e culminou com relatos da comunidade Anassés, pedindo ajuda para não desaparecer, clamando para ser ouvida. Valter pontuava a importância dos índios, como os povos originais desta terra, e se mostrou bastante emocionado por ter sido escolhido para estar ali, para ser o alvo de toda aquela comoção. Tudo em meio a muitos cliques de câmeras e mugidos de vaca, uma combinação bastante inusitada. 

O atraso de Valter teve um preço. O sol não quis saber, e deixou todos no escuro, no fim da tarde, para uma roda final de danças e cantorias. A alegria daquele povo, as palavras sinceras e diretas do cacique e de seus filhos, o respeito de Valter, os mugidos das vacas. Um memorável momento desta Bienal fora da Bienal. 

Escrito e publicado originalmente em 17/04/2017, no Facebook

-------------------------------------------------------------------------------------------------------

Este foi um dia de grandes memórias, razão pela qual quis escrever mais um pouco sobre ele e seus desdobramentos. Era o quarto dia de Bienal do Livro, e após a energia injetada em mim no dia anterior, através da palestra de Marcelino Freire e Válter Hugo Mãe, estava cada vez mais disposto a mergulhar fundo em tudo o mais o que pudesse no evento, ao longo de seus dias restantes. Neste cenário, surge a Bienal fora da Bienal, uma das programações mais curiosas dessa edição.  

O segmento propôs levar escritores para fora do enclausuramento do Centro de Eventos, realizando debates e diálogos em outros espaços de Fortaleza e região metropolitana, e com isso também favorecendo a presença de pessoas fora do eixo central da cidade. O projeto é idealizado por um querido amigo, o sociólogo Júlio Lira, através do qual soube já ter havido outra edição, na bienal de 2006. À época eu ainda não acompanhava tudo tão de perto mas soube de Júlio um pouco do que aconteceu naquele ano, das experiências com os escritores e ideias de inseri-los em outros contextos que não as típicas e tradicionais falas em auditórios e salas fechadas. Júlio, muito animado com a volta da atividade, disse que viria muita coisa boa nesta edição, em 2017. Logo, quando a programação foi divulgada, vi um panorama geral das excursões, que incluiria falas em zonas periféricas, praças urbanas e até no meio do mar. 

E dentro da singularidade do Bienal fora da Bienal, destacava-se uma das propostas, que tinha como alvo o escritor português Válter Hugo Mãe, escalado para encontro com uma tribo indígena, os Anassés, aqui mesmo em Fortaleza, na grande Caucaia. Não que os demais passeios não fossem interessantes, mas este tinha, além do escritor, toda a questão indígena, trazendo uma renovação, uma descoberta e, por que não dizer, alívio, ante a mesmice que acabaria sendo mais um dia confinado no Centro de Eventos. 

O evento lembrava um pouco o Percursos Urbanos, uma outra idealização do Júlio, que promove passeios culturais pela cidade, a partir do Centro Cultural Banco do Nordeste. Era possível quase dizer que este passeio era um Percurso Urbano especial, uma vez que seria aberto ao público e disporia de ônibus para a localidade, mediante inscrição prévia. A princípio, não pensei em ir. Imaginei que as vagas já estariam mais do que preenchidas, pelo que tinha visto da avidez do público que encheu as já duas falas proferidas por Válter nos primeiros dias de Bienal. No dia em questão, 17 de abril, porém, fui tomado pelo impulso, curiosidade, ânsia do movimento, que me fez sair de casa direto não para o Centro de Eventos, mas para o CCBNB, ponto do qual sairia o ônibus desta Bienal fora da Bienal, previsto para as 14h. 



Fui com minha mãe, que aproveitou para fugir da rotina e se permitir uma saída diferente em plena semana. Os detalhes estavam sendo postados diretamente no Facebook: devia-se levar toalhas, para se sentar à natureza (de preferência brancas), estar preparado para tirar os calçados (era necessário atravessar um rio) e evitar tirar fotos ou falar com o escritor. De modo geral, essas observações, sobretudo as últimas, me soaram estranhas. Até parece que ninguém iria fotografar, pensei. 

Não fizemos nenhuma inscrição, fomos com o coração. Caso não desse certo, tinha um outro plano, de voltar direto para o Centro de Eventos, haveria uma fala de Ana Miranda e Marina Colasanti naquela tarde. 

Nos deparamos com grande movimento nas escadarias do CCBNB; foram dois ônibus. O primeiro partiu completamente lotado, mas para minha surpresa o outro estava quase vazio. Fomos autorizados a embarcar neste segundo, e fiquei igualmente surpreso ao não ver tanta gente como esperava, talvez por ser dia de semana, e àquela hora da tarde. Tivemos quase o ônibus inteiro para nós, numa viagem tranquila, exceto pelo calor. Inúmeros vendedores d'agua empurravam garrafinhas pelas janelas. Caçamos moedas para uma, a sede era demais. 

Eu ainda não sabia de muita coisa referente aos índios ou à região onde iríamos, não conseguia deixar era de me impressionar pelo fato de ter conseguido ir, de ter dado certo, e ao deixar-me levar por essa boa energia, os eventuais incômodos de viagem se mostravam ridículos e obsoletos. Era uma segunda-feira, mas não parecia. Nos sentíamos quase como que em outra vida, por estarmos trilhando uma rota tão diferente, ressignificando a dita rotina. Fiquei me perguntando se Válter tinha ido no outro ônibus, junto com todos, mas achava difícil. Certamente o autor ou iria em carro especial ou até já estava por lá. Ocorreu-me um pensamento: por que da presença do escritor na comunidade indígena, como se justificaria isso? Não seria algo meio forçado? Era o que estava para ver.






Após a mudança do cenário das janelas, que adquiriu tons verdes e interioranos, decepando prédios e edifícios, já em Caucaia, nos vimos entrando no território dos Anacés, localizado numa extensa área rural que lembrava um sítio afastado do mundo. O ônibus nos deixou na borda de uma trilha, demarcada com cerca e arrame farpado, a qual deveríamos atravessar. Um dos requisitos do passeio logo se mostrou, ao vermos o rio, embora o trecho a cruzar fosse apenas um córrego. 



O sol agora se via fresco e agradável, realçando o viço natural de toda aquela folhagem. Atravessamos a pequena correnteza, sentindo suave massagem de água nos pés, sensação tão boa que quis que a travessia não terminasse tão cedo; ela revelou-se muito mais curta do que imaginei. Todos tiveram de tirar os calçados, embora várias pessoas tenham vindo de tênis, não viram ou ignoraram as medidas recomendadas, e tiveram de tirá-los, atrasando a fila indiana que até esse momento mantinha-se alinhada. 



Ao percebermos os primeiros índios, senti um choque cultural, o contraste com nossas muitas bolsas, celulares e acessórios. Seguravam cartazes nos recepcionando com muita simpatia. Devolvemos os cumprimentos e seguimos com eles pela trilha, passando por algumas casas, até chegar aos pés de uma grande árvore, um cajueiro, que seria palco do encontro vindouro. Nem sinal de Válter ou mesmo de Júlio Lira, o coordenador da atividade.

Marcada para as 16h, faltava ainda alguns minutos e aproveitamos, como boa parte do pessoal, para nos deliciarmos com tapioca, mungunzá e bolo, vendidos numa barraquinha próxima, operada pelos próprios índios, a preços sorridentes. Tudo parecia apetitoso, um tempero a mais, o da própria situação. Tapiocas e cafés saíam a todo instante. Por acaso o motorista do primeiro ônibus estava por ali, através dele soube um pouco de como foi a viagem para eles: "O de vocês não veio cheio?". E quando chegou nossa vez no lanche, acabou a tapioca, "mas ela vai já, já fazer mais, viu?", nos disse a mocinha que atendia, sorrindo, apontando para uma outra barraca vizinha: "ela tá preparando a massa". Esperamos, não tem problema. Pegamos o café logo para garantir e enquanto mantínhamos o copinho fumegante nas mãos, aproveitávamos para viajar naquele cenário de serenidade: a cozinha improvisada, de barro e pedaços de telha, com bacias, panelas e madeiras, era um espetáculo à parte, ainda observei a dança do fogo acendido e mantido com esforços que embora me fossem diferentes, revelavam a mesma chama que aprendi a admirar.





Próximo ao cajueiro ficava o rio que desaguava na trilha. A torrente era delineada por uma pequena barragem, onde àquela hora brincavam e nadavam algumas crianças, com uma espontaneidade que me petrificou o olhar. Batiam na água, riam, mergulhavam, subiam, mergulhavam de novo. Uma diversão tão inocente quanto a própria existência. Nos olhavam com curiosidade, como a talvez pensar por que não nos juntávamos a eles. Ali, naquele pedacinho de mundo, acontecia o melhor parque aquático de todos. Parecíamos estar bem mais longe do que de fato estávamos, uma realidade tão perto, e talvez por isso tão longe.



Já com nossas tapiocas, não havia aparentemente onde sentar, mas improvisamos, em tocos de madeira, troncos de árvore, nada de bancos ou mesas, a experiência pedia um aconchego mais rudimentar, mais próximo à natureza, o que a engrandecia ainda mais. O café parecia mais saboroso, a tapioca mais pura, o próprio ar era ingrediente a ser devorado desmedidamente. Findado o lanche, nos juntamos aos demais, sob o cajueiro. Os compridos troncos que serviam de bancos, já quase cheios. Outras pessoas preferiram sentar-se direto no chão, usando suas toalhinhas. 

Achamos uma brecha num cantinho de tronco. Sentados, ficamos entre conversar, observar e sentir o ambiente. Aproveitei para anotar qualquer coisas em minhas cadernetas, reflexões de minuto, do estar, da beleza que era o olhar aproximado da casca do tronco do cajueiro, que revelava um mundo de caminhos diminutos, quase invisíveis em meio a todo aquele encanto.


Outra companhia constante era a das vacas, ao longo do campo. Pode existir algo mais belo, mais espontâneo do que uma vaca pastando? Fique hipnotizado pelo movimento natural de seu rabo, para lá e para cá, como um pêndulo a badalar felicidade. Todos esses elementos juntos geravam um bem estar, um despertar de vida. Cachorrinhos passeavam, crianças em seus mergulhos, o sol a meia luz, as folhas do cajueiro conversando baixinho. Válter estava atrasado, já mais de uma hora, mas só viver essas sensações já era um reconforto.

Estava tão hipnotizado que não senti o passar do tempo, só voltando à realidade quando vi não a chegada do português mas de outras pessoas que, de alguma maneira, quebraram a inocência daquele retrato. Eram técnicos, de som, de imagem. Chegaram carregando caixas de equipamentos, fios, microfones, caixas de som. Vi surgirem logotipos de emissoras de TV. Ligaram os aparelhos, esticando a fiação nos arredores do cajueiro, com a determinação de quem prepara um palco artificial. Outras pessoas, da Bienal, organizavam o público o mais próximo possível da árvore. Uma lona com o nome do evento foi esticada na areia do chão, como que marcando a autenticidade deste. Eu bem imaginava que algo daquelas proporções, com a presença de Válter Hugo Mãe, seria sim filmada, fotografada, exageradamente registrada. Podiam até não falar com o escritor, mas ninguém ia deixar de fotografar coisa nenhuma. 



E finalmente, já às 17h, quando todos estavam bem relaxados e acomodados nos troncos e toalhinhas, eis que surge o escritor português. Fez-se silêncio total, ouvindo-se apenas o canto dos vários índios que entraram junto ao escritor. Chocalhos e outros instrumentos marcavam a aparição. Válter vinha no centro do grupo, como um índio honorário, carregando às mãos um ramo, decerto um presente de boas-vindas. Mantinha o olhar sério, em respeito à celebração. A comoção era tamanha que parecia quase um herói de guerra, aquele que traria equilíbrio à tribo. Viu-se euforia no público que o aguardava, mas mais ainda nos fotógrafos e cinegrafistas, que agora brotaram aos montes, com câmeras que mal cabiam nas mãos. Os celulares também brilharam, literalmente, numa chuva de flashes. Atrás de toda a procissão, vinha Júlio Lira, coordenador da Bienal fora da Bienal, devidamente equipado com sua câmera. Com a proibição das fotos por água abaixo, também me juntei a eles. 



Válter foi conduzido aos entornos do cajueiro, onde um tronco-banco vazio o aguardava, bem como uma caixa de som e microfone. Dali aconteceria toda a conversa. Após a cantoria inicial, o cacique rezou um Pai Nosso, e vieram logo os contrastes das realidades; a reza foi bruscamente interrompida por inoportuno estouro da caixa de som, daqueles de doer os ouvidos, que faziam o mugido das vacas parecerem a melhor de todas as músicas. Era ainda o começo, mas eu sentia leve teatricidade naquilo tudo, naquela presença de tantas câmeras e aparelhos, que se diziam proibidos a princípio.

O cacique seguiu com a oração, indiferente, e pediu um minuto de silêncio em memória de seus antepassados. Todos obedeceram, mas apenas os índios baixaram a cabeça, em profunda consignação. Os fotógrafos não respeitaram nada e disparavam fashes e fotos do silêncio.







  
Depois do ritual, um dos índios fez introdução do que seria aquele momento, apresentando a realidade da comunidade indígena, os Anassés. Apresentou também o cacique, Antonio Ferreira da Silva, que de cara mostrou-se de personalidade forte e direta, uma postura que o tornaria uma tônica daquele encontro. 

Falou-se a respeito das dificuldades em sua sobrevivêcia, para manterem-se, terem como trabalhar, ante as muitas injustiças recaídas sobre seu povo, que não recebe assistência há pelo menos doze anos. O cacique e outros dois índios que permaneceram mais próximos a ele durante toda a roda (depois descobri serem seus filhos), Climério e Roberto, tinha um tom de apelo, de serem vistos, serem ouvidos. A respeito da presença do escritor português, o cacique mostrou-se contente:



"O dinheiro ajuda, mas uma homenagem é melhor ainda" – Cacique Antonio 

Um dos primeiros temas trazidos à tona, que acompanharia, direta ou indiretamente toda a conversa, foi a questão da chegada dos portugueses ao Brasil, no qual já estavam os índios, e a culpa, ou podemos dizer, débito que o povo português tinha com os indígenas. Nesse ponto, Válter meio que assumia quase um papel de vilão, ou de responsável por "apaziguar" os ânimos, ao menos era isso que dava a se entender. 

"Eles não nos deram nada, o povo deles, mas nós demos tudo a eles!" - Cacique Antonio 

Não sei exatamente como ou por que, mas havia entre o público um promotor de justiça, que veio à tona desse acaso e gerou já de cara um pequeno estranhamento entre os índios, ao ser indagado do descaso recebido pela comunidade. O homem quis se explicar, e improvisou um discurso, uma fala de respeito e consideração: 

"Perdão pelo atraso, na verdade não são doze anos, são 500 anos de atraso" - promotor

O ato, apesar de soar nobre e digno, me pareceu um pouco teatral, não sei, bonitinho demais. Como aquele promotor estava lá? Por que quis se manifestar? E já trouxe as palavras prontas ou foi mesmo improviso? De qualquer maneira, compôs bem a cena, bem didática. 



"Não preciso de dinheiro, tenho tudo o que quero sem dinheiro, só preciso de dinheiro para comer" - Cacique

O escritor português ouvia atento, o ramo seguro às mãos. Era ainda alvo das muitas câmeras e lentes, quando se manifestou:

"Acho que sou muito pouco para vossa causa, sou muito pequeno para a grandeza de seu povo, é uma responsabilidade muito grande. Vocês são o povo original. É muito especial para mim estar aqui" - Válter

As vacas davam um tom extra às falas, os mugidos pareciam quase comunicar-se entre si, como se elas participassem, opinassem, quem sabe até encontrassem soluções para a necessidade indígena. Já os troncos onde estávamos sentados eram apoiados por tijolos; o peso em uns era tanto que se rebentaram, gerando sustos ocasionais. 

 "O poder deveria ser usado unicamente para ajudar os necessitados"Válter



"Todos temos um lado bom e ruim, mas todos temos uma essência, e precisamos da essência do outro, para existir, agradeço à existência de vocês" - Um dos filhos do Cacique 
O diálogo cresceu, deixando de lado um pouco a questão dos portugueses, e focando na dificuldade indígena, de lutarem por suas terras, seus direitos. O cacique disse que já foi preso duas vezes por seu envolvimento na causa: "O errado tem raiva do certo" - Cacique Antonio
"A FUNAI não nos deixa trabalhar, nunca nos visitaram." - Cacique Antonio

Um dos filhos do cacique falou aberta e sinceramente, de política, vários escândalos, corrupção, PEC, decretos publicados que os prejudicam, das comunidades indígenas que vêm sendo atacadas, jogando um grande painel sobre o debate. Um dos principais motivos seria o agronegócio e a especulação imobiliária. A questão era de tanta seriedade que o rapaz pediu doação para os índios no endereço da FUNAI: "Água e algo para as crianças". As palavras vinham do coração, compadeciam, vinham de alguém que aparentava ter visto e vivido muito, superado e continuar superando ainda mais. Era uma realidade que todos ali, exceto os índios, desconheciam. Não tínhamos ideia clara do que significava para eles, mas poderíamos ser nós no lugar deles, "precisamos da essência do outro para existir", lembrei das palavras de poucos minutos atrás. 



"Eu tenho muita dificuldade em acreditar que você tem apenas 20 anos" – Válter, sobre filho do cacique. O escritor divagou algumas ideias, propostas, de como se encontrar o respeito pela comunidade indígena, em parte a partir da própria natureza, que tem tanto a ensinar aos homens.

"As pessoas são plantadas, isto me lembrou um de meus livros, mas pra mim é poético, pra você é espiritualidade, é de seus ancestrais" – Válter

Uma senhora da comunidade passou pedindo doações, num chapéu. Demos alguma quantia, caçando troco nas próprias cédulas já doadas. Tal trabalho, porém, nos tirou um pouco o foco das palavras de Válter, que discorria algo que só lembro que começou com a tribo dos Yanomami. 

"Quem tem medo de morrer, não nasce vivo. Não tenho medo de nada"Cacique Antonio

"Não tenho preocupação nenhuma, deito e durmo a noite inteira e quando dá vontade de escrever poesia, vou lá e escrevo" – Cacique Antonio 

O cacique Antonio era durão, valente, sobretudo sábio. E também poeta. Em certo momento, foi colocado sobre a lona um saco cheio de livretos de sua autoria, de histórias e lendas dos Anacés. Comprei um, material bom, simples, funcional, histórias que poderiam se perder, não fossem registradas, passadas, e em tão poucas páginas pode-se fazer tanto.  







"Antigamente, os índios se escondiam para não morrer, agora, eles estão aparecendo para não morrerRoberto 

Por conta do atraso inicial, a conversa esticou-se bem além do previsto. O sol já ia longe, revelando as primeiras cores da noite. Não havia luzes nos arredores, e logo a escuridão banhou a roda, desenhando silhuetas contra os últimos raios do horizonte. A conversa continuava, agora quase em clima de histórias contadas ao redor de fogueiras, e bem que poderia ter-se acendido uma ali. 



"Todo mundo deveria escrever sua história, você nunca morre, você permanece, você fica, mas nem todo mundo pensa assim."  - Cacique Antonio 

O cacique encantava com sua humildade e presença de espírito, palavras que ora arrancavam risos, ora faziam necessária reflexão. Nesse momento, já com baixa luz, não consegui mais escrever ou tomar notas, o que de certa forma foi ótimo, me permitir entrar mais na experiência sensorial da coisa, dos sons, vozes, tudo naturalmente ampliado pela falta de luz. 

"O local onde houve esse encontro é uma representação, esse rio, é uma cobra, por onde passam nossos antepassados" - disse Climério, contando uma lenda sobre aquele cajueiro, que imaginei ser ótima para ser contada naqueles livretos do cacique.  

A primeira parte do encontro terminou por volta das 17:50. Válter agradeceu a todos, mostrando-se novamente honrado. Como divulgado, não foi aberto qualquer espaço para o público interagir com o escritor ou mesmo com os índios, pelo menos ante o espetáculo central. Medida estranha, ajudava a manter a aura meio artificial, sem perguntas, comentários, apenas o testemunho visual. Apesar de estarmos agora no escuro, obedeceu-se o cronograma, iniciando-se uma roda de Toré, para a qual todos foram convidados. 



Um mínimo de luz foi arranjada através dos refletores e câmeras, quase tornando necessária a presença da tecnologia, criando uma cena curiosa, de uma cantoria bem, digamos, diferente. Várias pessoas juntaram-se aos índios, engordando a roda, inclusive Válter, num andar de quem buscava de alguma forma adaptar-se àquela cultura. 



Desligados os refletores, o breu se fez total. Cada um se agarrou a seu celular, inclusive alguns dos índios, para minha surpresa. Luzes de apoio foram trazidas, para auxiliar na volta pela trilha, agora uma pequena aventura. Lâmpadas nas casas da comunidade também ajudavam a orientação. 



A trilha da volta foi bastante diferente da ida. Via-se apenas os focos de luz deslocando-se ao longe, como vagalumes na noite, cada um buscando guia no outro, e sendo direcionados pelos próprios índios. Válter deteve-se no meio do caminho, tirou fotos com alguns nativos e ainda concedeu uma entrevista a um bem pronunciado repórter. Entendi que o público não teve voz, mas à mídia as portas foram abertas. 






A volta ao ônibus foi meio confusa, não conseguimos ver ou falar direito com mais ninguém, mesmo o cacique, seus filhos, para agradecer. Havia até certo receio de não voltarmos a tempo da partida do ônibus, e corremos a seguir o fluxo das luzes-vagalumes, relaxando ao nos sentarmos no veículo. Na viagem, um friozinho excepcional era filtrado pelas janelas, parecia quase que estávamos prestes a começar um outro percurso. Uma ou duas folhinhas entraram pela janela em uma curva fechada. Pegamos uma para cada, pensei em escrever algo sobre ela, mas não lembrei e a folhinha sumiu no cotidiano. 
Era por volta das 19h30 quando regressamos ao CCBNB. Cheguei ainda a cogitar ir para o Centro de Eventos, ver o que ainda conseguiria ver por lá, mas desisti, seria coisa demais a lidar, e uma mistura até desnecessária; tinha acabado de sair de um passeio diferente e já iria buscar o confinamento? Melhor guardas as boas lembranças do dia e retomar amanhã ao convencional. Assim fizemos. 

A Bienal fora da Bienal inovou, trazendo ideias e conduções diferentes à rotina da Bienal do Livro. Os demais passeios, ao longo dos outros dias, trouxeram nomes como Gero Camilo, Daniel Galera e Ignácio de Loyola Brandão, mas diferente deste, não houve ônibus gratuitos para o lugar, eram atividades próprias a beneficiar quem morava perto de onde aconteciam. 

Quanto a este encontro de Válter com os Anacés, um bom momento, marcante, sem dúvida, mas com seus altos e baixos. Bem diferente do que foi proposto, penso que a liberação de celulares e câmeras ofuscou a naturalidade da coisa. Claro que seria difícil conter, mas um pouco de bom senso teria feito a diferença, houve certa espetacularização dos índios, mesmo da natureza. E de comum acordo, uma vez que o cacique disse ser ótimo para eles uma homenagem, lhes dá visibilidade, sobretudo, imagino, quando essa visibilidade atende por Válter Hugo Mãe. 

Ainda assim, uma ótima experiência conhecer estas terras, os costumes e tradições deste que é um dos poucos povos índigenas existentes no Ceará. Os momentos de reflexão, o vento, a água do riacho, o mugido das vacas, a hospitalidade dos índios, são afetos a serem bem regados. Agora, após repensar e relembrar tudo desse dia, me ocorre que quem nos deu a maior lição não foi o escritor, mas os índios, sobretudo o Cacique Antonio.

Abaixo alguns vídeos de trechos da conversa:












PS: Ao longo desse texto, grafei o nome da tribo como "Anacés" e também "Anassés". Pelo que pesquisei, ambas as grafias podem ser usadas, não sei se há uma versão definitiva.

Esta série continua no dia 5, com Horácio Dídimo, Mary Del Priore, entre outros.