Frases


"Todos temos coisas na vida que valem a pena ser contadas, escritas. Mesmo que não para publicar, escreva-as para a família."Ilko Minev



sábado, 5 de fevereiro de 2011

Moacir C. Lopes


Esta postagem foi um tanto quanto inesperada, mas senti que devia fazê-la.

Ontem, estava tranquilamente trabalhando, na alta madrugada, quando me veio um lampejo: "Ah, vou já ver como anda o Moacir!". Moacir Costa Lopes, um grande escritor, autor do famoso "A Ostra e o Vento" que conheci através da Bienal do Livro 2010, aqui em Fortaleza. Abri o Google, digitei seu nome, e veio-me a bomba. Moacir tinha falecido. Em novembro do ano passado. Decorrente de um câncer. Fiquei alguns minutos enternecido, e me vinheram de imediato as cenas da Bienal, da palestra que ele dera, uma aula praticamente, e do momento que fui cumprimentá-lo. Moacir foi o único dos escritores que assisti a que consegui falar, parabenizar, em um momento bem especial. Só hoje descobri que ele já estava doente na época da Bienal.

O mais curioso de tudo, como falei precisamente no meu texto da época (a quarta da série Bienal do Livro 2010), foi que eu quase perdi a apresentação de Moacir, porque ainda não conhecia nada sobre ele, e naquele dia não imaginava haver nada que me interessasse nos corredores do Centro de Convenções. Ledo engano. E arrisco a dizer que com certeza foi um dos melhores dias que tive no evento.

Algumas das palavras que ele me falou podem parecer breves a princípio, mas são uma virtude que é a base para se fazer qualquer coisa hoje e sempre. Ter paciência. Para escrever, para reescrever, para viver. É uma lei natural para um vida tranquila.

Infelizmente só fiquei sabendo da notícia meses após, o que me deixou ainda mais chateado. Para vermos como é a situação do Brasil... é óbvio que se tivesse sido um jogador de futebol ou um ator, a notícia teria explodido em todas as mídias. Pesquisando melhor, vi que foi noticiada em alguns sites, e algumas homenagens até foram feitas. Mas imagino que muita gente ainda não saiba que o Brasil perdeu um grande escritor, e que talvez sequer venha a saber.

Moacir tem uma bela história de vida, apesar das dificuldades pelas quais passou, e contou um pouco de sua trajetória na palestra. Foi marinheiro por vários anos de sua vida, e esta experiência o fez escrever sobre o mar como ninguém. Criou ainda sua própria maneira de escrever, e explica sua metodologia no fantástico Guia prático de Criação Literária, livro que acabei não comprando na Bienal, mas poucos meses após, e que é uma de minhas principais referências para organizar as ideias antes de escrever. A obra é mais prática do que acadêmica, mas é lotada de informações valorosas tanto a estudantes, professores e escritores, e quem mais quiser compreender o método de criação deste brilhante escritor.

Bom, vou me restringir a apenas estes comentários. Meu texto sobre a palestra do Moacir, na Bienal, pode ser lido (e assistidos, os vídeos) na íntegra nesse link. Um local onde se pode conhecer um pouco mais sobre ele e sua obra é o site oficial do autor. E para fechar, a ótima crônica escrita por Pedro Salgueiro para o jornal O POVO, em ocasião do fato, e postada no blog de Raymundo Netto.

Moacir nos deixou uma obra vastíssima, que reflete extraordinariamente a pessoa que foi. Vamos lê-la, divulgá-la, estudá-la. Mantê-lo sempre vivo.

2 comentários:

  1. Tive a bela oportunidade de cumprimentar Moacir no festival de Cinema de Jericoacora, quando tiveram a feliz iniciativa de homenageá-lo. Era marcante a simplicidade e delicadeza desse senhor. Muito legal sua postagem. Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  2. Foi mesmo Carol? Legal, não sabia! Pois é... a humildade dele era mesmo memorável.

    Obrigado pelas palavras e apareça mais :)

    ResponderExcluir